Segue arquivos para divulgação, vamo ae rapaziada!!!!!!!!!

festa responsa que acontece na usp

 

Osama Bin Reggae IX

 

Quem é o Terrorista?

 

10 anos da mensagem dada ao mundo

 

 

 

 

 

 

 

O chamado foi feito!

 

 

Osama nas Alturas!

 

Saudaçoes libertarias!

Anúncios

A visita do Andrés na Câmara dos Vereadores, Palácio do Acnhieta, em busca do pacote pro Itaquerão e etc., me levaram pensar algumas questões…

Gosto muito de acompanhar as coisas na Câmara (gosto bizarro) e tivemos um contato mais direto no começo do ano com a luta contra o aumento, não só pela audiência, mas podemos entender um pouco como anda a organização política da casa.

As reportagens de ontem e hoje mostram muitas coisas…

Os Governistas (kassabistas, membros do dem, ex-dem, tucanos clássicos e outros malucos) pra esses o interesse em grandes obras públicas é o que há neh!
Estamos no poder, será que achamos que construir um estádio que deve tranquilamente chegar na casa de 1bi (opinião minha)??? Será??? Conseguiremos tirar proveito disso??? Será??? Mas é claro né!
Desde os tempos de Maluf, todo político dessa cidade sabe que não existe nada mais bacana do que uma boa obra pública, ainda mais que envolva o BNDES, AÍ SIM!!!
O que vimos nos noticiários foi toda essa galera no melhor estilo tucano sobrevoando o Andrés e dando tapinha nas costas. O nosso já conhecido presidente da Câmara: o  sr. Police Neto, todo meninão também, demonstrando que todas as forças serão feitas pra Copa em São Paulo, pro Itaquerão e etc.
Essa galera é maioria na casa, mesmo que rachada, brigada, são todos sempre muito semelhantes e a ideologia porca de tucano… não muda.

O papel do PT, o que seria a oposição da cidade de São Paulo. Interessante é que ao contrário do que se vê em quase todos lugares é uma oposição forte. O partido tem o maior número de vereadores da casa, são 11.
Isso de ser o partido-maioria diz muito, porque ao contrario do Congresso em que oposição e governo formam blocos coesos e muito distintos que jamais votam juntos, no Palácio Anchieta o que se vê é diferente. Aqui as alianças variam conforme o caso, o que parece ser bom, porque passaria a ideia de que estão brigando pelo bem da cidade, mas sabemos que na prática não é isso.
Voltando a posição do PT, ele se mostrou totalmente a favor, no melhor estilo governo federal: Vamo abrir geral pra tudo que for Copa do Mundo!!!
Não podemos esquecer nunca que a Copa, assim como as Olimpíadas, foi um dos grandes investimentos do governo Lula na busca por capital político que rendesse a eleição de Dilma. Agora o “pepino” sobrou na mão da presidente, a qual eu tenho certeza que  deve tá com raiva desse rolê todo, mas tá tendo que engolir com sorriso no rosto. Isso porque é mais do que claro o que uma Copa causa com as finanças do país. A presidente Dilma lançou os pacotes de redução de gastos públicos e etc, sua política um tanto quanto conservadora e sem jogar com as massa como a de Lula, jamais iria querer tocar algo insano como uma Copa do Mundo.
Mas engolindo a Copa a seco, nada mais claro do que o PT paulistano aprovar as obras corinthianas a toque de caixa, ainda mais em São Paulo onde o partido dará a alma pra conseguir a próxima prefeitura.

PCdoB em São Paulo é o mais insano de todos, não só por fazer parte da bancada governista kassabista (a qual já esta rachada e esmilinguida a algum tempo, devido as brigas do ex-prefieto com o DEM).
Mas o PCdoB é o partido da Copa do Mundo, vide Orlando Silva. E vide ontem, ou na semana retrasada na visita em Itaquera dos vereadores, o belo nariz de Jamil Murad aparecendo em tudo quanto é jornal. Ou mesmo a declaração do futuro candidato a prefeito Netinho de Paula, que também defende o apoio total ao Corinthians e a qualquer coisa que seja feita pela Copa, pelo Itaquerão. Ou mesmo pelo bem do Brasil, porque é isso que a Copa virou.

E os tricolores, esse são ridículos também.
O senhor Aurélio Miguel, que busca muito espaço interno no São Paulo, e que parece ter desistido de ser oposição a Juvenal Juvêncio. O que me leva a não duvidar que um dos motivos dele ter causado ontem e adiado as votações que devem ser só pra segunda-feira, tenha sido sim um braço de interesse da diretoria tricolor na Câmara.
E o Marco Aurélio, mesma coisa, porém esse no discurso centrado, falou apenas como alguém que quer fiscalizar, quer entender melhor. Tanto que por ser da bancada DEM, duvido que teria feito o pedido do Aurélio Miguel. O ex-judoca é do PR, tem o trunfo de ter ao seu lado um possível Apolinário (líder dos evangélicos), mas que como já vimos é um sujeito um tanto quanto excêntrico e mal caráter.
Dessa oposição sem graça e interesseira… não saíra nada!

Meu texto não coloca nenhuma conclusão,  se pans é apenas mais uma leitura.
Apenas para vermos que tudo que falamos no passado e que esperávamos da Copa esta acontecendo de fato!

Não quero aqui fazer o fiscal das contas públicas, ou o defensor das finanças paulistanas.
Eu quero só fazer a pontuação de que a Copa do Mundo é realmente a terra de ninguém, é realmente o terror não só na vida da população, mas nas relações políticas.

Tudo vai ser feito e muitos serão atropelados!!!

E como já era esperado… entre os políticos de São Paulo não existe a menor reflexão ou ponderação sobre a Copa!

Mais do que isso, ao vermos essas reportagens o que se vê nos políticos são apenas olhinhos brilhando… seja por dinheiro ou por capital político.

abraços cordiais

fernandinho z.o.


Amo, logo?

19jul11

A última coisa que eu esperava do filme 

Notícias da Antiguidade Ideológica: Marx, Eisenstein, o Capital” (Alemanha, 2008, 570 min. cor),

do cineasta e escritor alemão Alexander Kluge, que tem (sim, isso mesmo) 9 horas de duração (ok, só vi 5!!) era que ele dedicasse um longo tempo para a discussão sobre o amor, o que não poderia ter vindo em melhor hora, já que tenho ouvido Beatles demais e pensado bastante no amor, que para aparecer é muito fácil, já pra ir embora, uma desgraça! Aliás, quase todas as notas que fiz aqui no FB falam sobre… tentativas desesperadas de entender o que não deve ser entendido talvez? Enfim

O filme é a tentativa de Kluge de seguir anotações de Sergei Eisenstein, que por sua vez tinha um projeto suave, coisa pouca, quase nada, uma pechincha de cinema: filmar o Ulisses do James Joyce e o Capital, do bom velhinho, o Marx. Kluge se pergunta várias vezes durante essas horas todas se é possível filmar o capital? Quais imagens Eisenstein teria usado? Eu não sei se ele chegou a alguma conclusão porque não vi até o fim, mas o interessante é que Kluge começa a fazer associações entre conceitos de Marx e imagens, entrevistas com intelectuais e artistas alemães e faz uma discussão bem aprofundada sobre o capitalismo, socialismo, leninismo e … o amor! Ele muda de assunto bem do nada, até levei um susto do tipo: caraca, por essa eu não esperava… afinal, já tinham passado umas 2 horas (o filme começou as 10 da manhã!) e eu já estava dispersa, mas o tema fez muito sentido no meio dos conceitos do Marx e das loucuras do Eisenstein.

A questão é que o amor é a única coisa que rompe com o princípio básico do capital: acumulei irmãos! Isso porque em vez de juntar, nós guardamos o amor… não é uma acumulação cada vez maior, mas sim um modo de guardar dentro de nós o que outras pessoas tocam na gente, ao longo da vida e que pertence só a nós mesmos. Temos necessidade de amor e ele (ainda) não está à venda. E aí pode ser o amor em família (ok, mesmo que Marx tenha querido destruir a família), o amor entre amigos e o amor da paixão. E é somente pelo amor, que ainda não está à venda, que conseguimos alcançar um estado de espírito do impossível, da doação, do querer bem, do fazer o que for pelo bem de quem se ama. E isso o Capital não destruiu ainda… o amor é cimento (e não se desmanchou no ar, como tudo o que é sólido).

O problema que Kluge colocou foi: e quando não temos amor?? O que fazemos??? O socialismo pode dar conta da falta de amor? e da dor de amor? Há… doce engano achar que o socialismo tem a fórmula de todos os nossos males, afinal, não se pode exigir amor como exigimos justiça social… entende?! Não dá!!! Portanto o amor é uma utopia, fica em aberto, não tem conclusões, depende de mil acasos e a dor que ele provoca terapia ou socialismo nenhum podem resolver por nós… o amor é uma utopia… e um problema… Podemos ter pão e terra… já o amor, é mais embaixo!

A diva Maria Rita canta assim: Não há no mundo lei que possa condenar, Alguém que a um outro alguém deixou de amar… Ainda bem né? Mais uma prova que o amor ainda é incontrolável pelo capitalismo.

E ela continua:  Porque é que tem que ser assim; Ninguém jamais pôde mudar; Recebe menos quem mais tem pra dar. É isso que fazemos com o fim do amor: lamentamos e guardamos o que tiver que ser guardado, mas felizmente, isso é nosso e não está à venda, nem à disposição de ser barganhado. E quando menos percebemos estaremos amando de novo, é só se jogar no mundo:

“Vou mostrando como sou

E vou sendo como posso,

Jogando meu corpo no mundo,

Andando por todos os cantos

E pela lei natural dos encontros

Eu deixo e recebo um tanto”

(Esses aqui foram os Novos Baianos…)

O amor é uma lei natural… recebe-se e entrega-se… de graça!

O que o filme me fez perceber é que essa é uma questão muito importante para nós historiadores/militantes. Coisa que a minha amiga Nina já tinha notado com o livro do Erich Fromm – A arte de amar, que diz que o amor é o mais próximo que temos de resolver nossos problemas existenciais modernos. Ele não cedeu ainda para o Capital… vc não pode comprar amor, empatia, carinho por preço algum…. e isso é vantagem pra gente que sonha com o dia em que o capitalismo não existirá mais… assim como Fromm sonhava, que não por acaso escreveu o livro em 1956, ano de choque pra esquerda mundial, quando a URSS provocou um massacre na dissidente Hungria. Foi o ano que Thompson aliás e muitos militantes europeus saíram das fileiras dos PCs. Fromm, com seu livro sobre o amor influenciou muitos jovens, inclusive dissidências que não pararam de crescer nos anos 1960, formadas por pessoas que não aceitavam a intolerância, seja ela vinda da “direita” OU e INCLUSIVE da “esquerda”. E o amor acabou sendo palavra de ordem dos movimentos de 1968, dos hippies, dos Beatles e de um monte de gente envolvida na política daquela época.

Mas… o que a gente faz qdo vira historiador, militante, político ou qualquer coisa que o valha? Acaba com tudo numa caretice sem fim e esquece coisas básicas, que “sentir” é tão (ou mais!) importante que pensar. E que sozinhos (ou nas nossas tendências/grupos) não somos muita coisa que valha a pena nessa vida… Sair um pouco dos eixos, sentir amor, na sua plenitude, é um dos desvios que não podemos deixar de praticar nas nossas lutas diárias contra o Capital… e Erich Fromm já tinha dito… e Marx também, mas resmungando um pouco…

Penso, logo sinto … Amo, logo ? Acho que fica sem respostas por enquanto…


Camara dos safados de São Paulo

Não concordo com o aumento abusivo de salários, só porque uma lei determina… Quem foi que fez a lei? Se alei é ruim ao povo, revogue-se a lei…
Porque será que os ilustres senhores, não aprovam uma lei estadual nova e que nesta,conste que o estado de São Paulo, pagará a todos os aposentados indistintamente, um simples valor de 25% do saláraio atual do prefeito da capital São Paulo. Seria muito justo, visto que aposentados que ganham um mísero salário mínimo , deram a vida toda trabalhando, ralando sol a sol, chuva a chuva, saudável ou doente e os senhores, ganham muito para fazerem quase nada… Seria coerente caso votassem a redução dos próprios salários e destinassem esses recursos pra viabilizar o funcionamento permanente da cultura nas ruas da capital. Seria bem vindo também esses investimentos para transporte gratuito a população, que vive encarcerada diante dos preços abusivos das passagens. Ora essa, tirem estas mãos sujas do meu bolso, eu não quero pagar esta conta. Fora salafrarios exploradores do povo.

Altair Queiroz


Deputada Miriam Rios

Para a deputada católica Myrian Rios do Rj que discursa contra a PEC23/2007 ( uma espécie de PL 122 do Rio)
PDT já não é o mesmo sem o Mestre, Saudoso BRIZOLA. Fora idiotas, legisladores incompetentes que se acham deuses. Deveriam primeiro aprenderem a serem humanos. Não merecem o nome, a responsabilidade que lhes cabe, muito menos os recursos do povo que permitem os seus desserviços à sociedade. Fora maluca! fora malucos idiotas!A doida endoideceu de vez. Deve ter baixado um espírito do cancão nela neles. Kkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkk.

 

Altair


Salve galera, na última sexta feira (20 de MAIO de 2011) estive participando – através do convite do Tião Soares – do Seminário sobre Cultura e Sustentabilidade na Fundação CDC Tide Setubal em São Miguel Pta. Mas, antes de descrever este evento, gostaria de afirmar aqui a minha total liberdade pra mencionar alguns pontos que acho interessante torná-los públicas quando a discussão se trata de pessoas, de territórios físicos e sociais: Comunidades.
Não é exatamente de hoje e nem de ontem que vem acontecendo em alguns centros culturais ou até mesmo em algumas instituições; financiadas por mega empresas, algumas discussões sobre as Práticas Artísticas/Culturais corriqueiras das Periferias, o mais inusitado disso tudo, é quando acontecem alguns eventos deste porte e muitas pessoas não ficam sabendo e acabam ficandode FORA ou mal ficam sabendo das “informações”, quando dá por vir a saber das paradas já se foi.
Como morador da Zona Leste da Cidade de São Paulo e residente no distrito de Ermelino Matarazzo a 24 anos, temo por estar acontecendo estes Debates pela cidade e poucas (ou quase nenhuma) das propostas que são sugeridas estao em ações e de serem realizadas na prática conjuntamente com as Comunidades. Em meio a tudo isso venho com algumas questões em minha cachola:
Por que somente agora, “eles” querem discutir sobre nós – Falar sobre as Periferias?
Que interesse se tem em saber das “nossas ações” Artísticas/Culturais?
Pois bem, são essas e tantas outras questões que passam pela minha cabeça e me deixa confuso e desorientado, tudo isso em um momento que eu diria: “Ahhhh tá, agora as coisas estão indo… Pra onde?” Não quero ser apenas crítico e nem mesmo um cara que pensa somente nas minhas dúvidas, sinceramente não quero ser muita coisa pois ser apenas eu é o suficiente. Pra tudo isso acontecer, tento colocar minhas questões em volta de tantas discussõesque acontecem por ai… E ainda mais com pessoas que vem de outras realidades (Exemplo de uma pessoa que estava no Seminário que trouxe alguns exemplos de planejamento de uma cidade do mundo chamada Califórina) fazer comparações com o que vivemos aqui.
Uma outra noção de minhas ideias é: na minha inocência de ser humano, acredito que a visão que se tem das cidades ou das quebradas de cima de um Helicópteronão é, e nunca será, a mesma de quem vê a cidade pela janela de casa, ou ao pegar um Buzão pra ir pro trampo, ou até mesmo de quem sobe em algum Morro da quebrada pra visualizar a paisagem, são coisas extremamentes diferentes.Existe questões mais simples, quando vista – AS CIDADES/QUEBRADAS –  de CIMA, a sensação é de ter uma visão Grandiosa, Espetacular, Imensa e chega a dar uma sentimento de Extremo PODER sobre o que está abaixo de nossos pés; agora mudando de lado, quando a parada é vista na HORIZONTAL, no CHÃO e como diriam alguns pessoas: OLHO NO OLHO, a parada é outra, é mais real, mais humana, mais podre e até mesmo mais invejosa. Pois é isso que, alguns e algumas nos vêem com imensa Inveja de não ter o que temos: O QUASE NADA, e ser o que tentamos ser: SONHADORES/AS.
Agora adentrando sobre o Seminário que participei, ouvi uma coisa que me fez pensar e é o seguinte:“O FATOR DIFERENCIAL que “temos” na ECONOMIA do Brasil são as Pessoas…”, mas não seriam elas as peças fundamentais deste motor, desta grande máquina, chamada por mim: CA(PE)TALISTA MUNDIAL?É, falar que somos pessoas que faz a diferença, é a mesma coisa de falar que somos MÃOS BARATAS QUE CONTRIBUEM PARA 1 SISTEMA BELO. Mas que o mesmo nos ignora e não está dando a mínima pras nossas sanidades básicas de sobrevivência.

Sei lá, às vezes tenho a sensação de que somos utilizados por muitos/as pesquisadores/as que nunca pisaram nas ruas de barro, nunca trocou ideia com moradores/as, nunca foi em algum Comunidade e ficam nos vendo numa posição acima de nós com o auxílio de um equipamento que, nós aqui só visualizamos quando estão na captura de alguém, como uma Águia, tá ligado/a? Enquanto nós vivemos e vemos de forma mais clara e nítida nossos problemas e também nossas qualidades.
Não sei se isso é possível, porém acredito que deveríamos, os que estão na LUTA , nos organizarmos pra tentar articular, discutir entre nós nossas barrerias e atividades e depois ir pro front, ir pra batalha e ir pra cima de quem realmente merece nos escutar: o PODER PÚBLICO.
Eu tenho plena consciência que existem muitas pessoas por ai nesta cidade de SAMPA – como alguns dizem por ai –  que já estão na mão-certa caminhando.Uma parada foda é a galera da REDE Fora do Eixo, uma rede que no início se organizaram pra realizar atividades musicais, encontros de discussões, palestras e outras coisas mais fora do eixo sócio-cultural do país, fora da rota tradicional, da circulação da economia, da arte, da cultural realizando atividades em ao menos esperar do SISTEMA alguma ou qualquer outra ajuda/benfeitoria/financiamento… Mas espera ai: quem mora nas regiões: Sul, Centro-Oeste e Norte do país não são várias Sociedades? Muitos acham que nestes locais não existe: pessoas, artes, comunidades, sociedades e outras cositas mas e a galera mostra totalmente o contrário de alguns pensamentos que existem por ai a fora.
Acho que é um pouco isso as minhas sensações, pode ser que incomode uns e surpreenda outras mas na real, tô nem ai.
Abracios, fui.
Vander Clementino Guedes.
xCHEx

Segura no refrão, nois tamo de vorta pra incomodar nessa porra de lugar…

 

Se você tem medo de pobre, pode correr, se você é de direita, melhor se esconder, se você é da luta e ta disposto a contribuir pode chegar mano, tamo junto, desabafar e compartilhar as experiencias é extremamente importante.

todo mundo desabafa, mas só quem é escreve

Tá osso, ando com um milhão de coisas na cabeça pra desabafar, mas todas desorganizadas: copa do mundo, periferia, futebol, desapropriação, terrorismo, policia, dinheiro, cultura, festa…

 

ta osso, mas se você ta mais organizado que eu nas ideia escreve aqui, o bagui é aberto e coletivo, construção do conhecimento através da coletividade, vale tudo, recomendar video, recomendar leitura, desde que tenha uma reflexão né manos e minas, até porque nois é jeca mais é joia e inteligente…hehehe

 

e pra lançar o primeiro desabafo de 2011 um convite a todos e uma pergunta: quem é o terrorista????????